Relatos de Experiências Acadêmicas

A contribuição das palestras no entendimento do panorama atual turístico. FIT Pantanal 2017.

Por Morales Henrique Sirqueira Oliveira

Um dos grandes objetivos da FIT Pantanal, cumprindo sua função como feira internacional de turismo é trazer para os empresários, acadêmicos e contribuintes do turismo Mato-grossense como todo, tudo de novo que está acontecendo ao redor do Brasil e Mundo a respeito do turismo: quais são as técnicas que estão sendo aplicadas, quais a discussões abordas e principalmente quais as tendências passiveis para uma terra de tanto potencial turístico como Mato Grosso. 
Dentre tudo que podemos observar entre os palestrantes e todos aqueles que participavam do evento é a ideia conjunta de “potencial”, o Mato Grasso já é um dos destinos mais diversificados e bonitos que o nosso Brasil pode oferecer, basta apenas essa afirmativa conquistar o mundo, e isso acontece com qualificação da infraestrutura, superestrutura, equipamentos de A&B (alimentos e bebidas) e investimento em Marketing e divulgação, em outras palavras, na obtenção de informações qualificadas.
Muitos foram os palestrantes convidados, de experiências e formações diferentes o que trouxe uma difusão de informações com muita propriedade. Entre diversos palestrantes de alto gabarito, aponto o biólogo Richard Rasmussen (foto), que em sua palestra discutiu sobre conhecimento e informação, como esses dois atributos tão necessários, agindo em conjunto podem trazer o sucesso e principalmente, como os animais fazem isso e dessa forma, temos tanto a prender com eles.
Conhecimento e informação, conhecemos nossas terras, nossos biomas e nossos atrativos turísticos e agora temos de utilizar as informações obtidas em iniciativas como a FIT Pantanal para tornar o potencial em realidade, para colocar de vez o Mato Grosso, do pantanal até a Amazônia Mato-grossense no mapa do turismo mundial.


Palestra: "Superando seus limites". FIT Pantanal 2017.

Palestrante: Richard Rasmussen.
Palestra: "Turismo de Experiência". FIT Pantanal 2017.
Palestrante: Larissa Fernanda de Lima Almeida.

Por Thamara Fernandes


Sem sombra de dúvida a FIT Pantanal 2017 foi de suma importância para o meu desenvolvimento tanto pessoal quanto profissional. Uma coisa que aprendi é: quem fica trancado em casa, sem abrir-se para o mundo, certamente, não receberá muitas oportunidades, quando a Professora Rita me convidou para ir para a FIT Pantanal fiquei muito feliz, pois, sabia que enriqueceria meus conhecimentos. Todas as palestras que tive oportunidade de assistir foram ótimas, porém, as que me chamaram atenção foram as de: Richard Rasmussen e Larissa Almeida, pois me senti ainda mais motivada a seguir com o Curso de Turismo. O Richard Rasmussen falou de “vencer os medos”. Nessa palestra Richard incentiva as pessoas dando exemplo de animais, como o lobo marinho que sabe que a baleia é seu predador, mesmo assim o lobo marinho não para de se divertir no oceano, assim tem que ser as pessoas, sabemos que tem vários obstáculos na nossa vida, mas não podemos desistir. A palestrante Larissa Almeida falou de Turismo de Experiência onde chamou minha atenção, pois, através dessa palestra tive interesse de trabalhar com Turismo de Experiência na minha cidade, assim, valorizando e preservando a minha cultura.





Feira Gastronômica da FIT 2016
Por Monica Macedo Sobrinho

De 20 a 22 de Abril, tivemos a oportunidade de participarmos do FIT Pantanal 2016, feira de grande importância para nosso aprendizado, aonde foi possível enriquecer nossos conhecimentos e mostrar a força que o Turismo tem no mundo todo.
Aprendi que é possível integrar os sabores do Pantanal no Turismo. E não tem como não falarmos da gastronomia que teve seu show a parte com cores e sabores.
O Estado de Mato Grosso é constituído por 3 biomas distintos: Cerrado, Pantanal e Amazônia de onde é possível tirar alimentos que popularmente são desprezados e os transformá-los, de onde também é possível associarmos com a culinária indígena se tornando um sabor único e cultural.
Tive a oportunidade de conhecer e experimentar alguns alimentos como o Cuiaburguer, Nhoque com Creme de Abóbora e Ragu de Costela, Escondidinho de Carne Seca e Banana da Terra, Reviradinho Cuiabano, Paçoca de Pilão e a inesquecível Pizza Pantaneira com Carne Seca, Banana da Terra e Queijo Fundido. 
Foi possível observar que a cultura gastronômica é elemento fundamental para as lembranças do local a qual visitamos, ao experimentarmos novamente esse prato mesmo que em outro local as nossas lembranças irão nos levar diretamente para aquele local.

“Gastronomia não é do Turismo, mas a associação é essencial” (Fernando Mack).




Palestra: "Passarinhando" - observação de pássaros. FIT 2016.
Por Daniela Tairine de Jesus Lima
                                                       Instrutor: Bráulio Carrillo

No dia 22 de abril de 2016, o Parque Mãe Bonifácio, em Cuiabá, MT) foi o cenário da atividade internacionalmente conhecida como “Birdwatching” – Observação de pássaros ou como o evento chamou, “Passarinhando”, onde o foco era conhecer um pouco mais das espécies presentes no Bioma do Cerrado, em ambiente conservado e que ali vivem.
O primeiro passo foram as instruções para que pudéssemos não somente escutar o som dos pássaros e sim vê-los, e começamos a trilha por volta das 6h sendo o melhor horário para avistá-los, e assim já encontramos alguns macacos “saguis", que fizeram parte de grande parte da trilha. 
Logo em seguida conseguimos observar através de binóculos os pássaros que vivem naquele espaço, entre eles vimos Saracura, Beija-flor, Araras Azuis e ainda avistamos Cutias passeando pelo parque no meio das pessoas que ali estavam fazendo caminhada. 
É incrível como esses animais já estão acostumados com o fluxo de pessoas que ali passam, passa a ser algo normal essa mistura de pessoas, pássaros e animais.
Para que conseguíssemos escutar e vermos esses pássaros foram usados um aparelho play-back que é onde sai o som semelhante ao de cada espécie, isso faz com que chamamos a atenção para mais próximos de nós.
É sem dúvidas uma experiência única e incrível, pois hoje em dia não está fácil para vermos algumas dessas espécies pelo fato de já estarem em poucas quantidades.
E me fez refletir em como a natureza é um incrível recurso turístico no Estado de Mato Grosso, e como as possibilidades de atuação na área como turismólogo, vão ampliando em cada estudo e visita técnica.





Palestra da FIT 2016 - Desenvolvendo o Turismo: Santuário dos elefantes.
Por Leidiane G. de Oliveira
         Palestrante: Scott Blais.
A Feira Internacional do Turismo do Pantanal, do dia 22 de abril de 2016, na Sala Sol do Centro de Eventos do Pantanal, apresentou no Núcleo do Conhecimento o tema que para mim se apresentou inusitado e despertou curiosidade, Santuário Natural, de onças? Para a Arara Azul?
Não.
Para Elefantes.
Alguns dos fatores evidenciados na palestra realizada pela ONG Santuário dos Elefantes Brasil (SEB), é a longevidade deste animal, um elefante vive na natureza em média 70 anos, e quando colocado em condições adversas a natural como em cativeiros, vive apenas 35 anos.
O fato apresentado foi de um cenário de ameaças e de sofrimento dos elefantes no Brasil, que em sua maioria estão sendo mantidos em cativeiros, eles são roubados ainda filhotes do habitat natural, forçados a morar enclausurados em condições artificiais. Isso leva a grandes distúrbios psicológicos, emocionais e físicos que, em última instância, causam uma morte prematura.
O Santuário de Elefantes Brasil, vai estar situado em Chapada dos Guimarães, no Estado de Mato Grosso, conhecida como a “Meca do Ecoturismo”, e terá 1.100 hectares, com 50 elefantes nativos na América do Sul, Africanos e Asiático, sendo 35 destes que estão vivendo em zoológicos e circos do Brasil, na Argentina e no Chile.
No santuário Brasil será o primeiro projeto desse tipo na América Latina, não será aberto à visitação pública, haverá um sistema de câmera que será disponibilizando site para observação e construção de plataforma de observação à distância.

Observei que os esforços para o bem estar dos animais devem abranger animais que não são nativos e que terá igual importância na conservação do meio ambiente. E ainda a palestra me fez observar que a biodiversidade só terá valor turístico, quando conservada e preservada. 

Um comentário :

  1. Parabéns a todos que puderam participar desta grande feira. Que possamos compartilhar tudo aquilo que vivemos e que multipliquemos todo o conhecimento novo adquirido. #turismo #turma2015/1

    ResponderExcluir